sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Um negro na casa branca – este é o Dia da Consciência Negra

Por Helena Vitória
O 20 de novembro é chamado de "dia da consciência negra". Será que as pessoas têm consciência do que isso significa para os afro-descendentes que já são conscientes dessa realidade a muitos séculos? Todos os dias é preciso que você também se conscientize dessa verdade.

Um dos grandes feitos para ser comemorado nesse dia, é a gloriosa vitória do democrata Barack Hussein Obama, que na noite de terça-feira, dia 03 de novembro de 2008 (uma data histórica), chegou à presidência dos E.U.A. O candidato eleito prevê novas metodologias em seu mandato e deixa claro que não vai ostentar nenhuma bandeira “revolucionária”.

Ele quer uma política pública e participativa na qual todo o povo americano seja favorecido. Obama, se quiser, pode fazer uso da frase do Lula, que aliás, fica melhor em sua boca: “Nunca antes na historia desse país...” Até porque, nunca antes na história da américa um afro-descendente foi tão longe, tão ousado!
Alguns até tentaram como Colin Powell, em 1992, concorrendo as eleições com Bill Clinton, mas não obteve bons resultados nas urnas.

O líder protestante Martin Luther King não viveu pra ver, mas sua descendência pode desfrutar do tão esperado sonho. Parece que ele visualizou o ocorrido. Presta atenção nessa fala: "Eu estou contente em unir-me com vocês no dia que entrará para a história como a maior demonstração pela liberdade na história de nossa nação....
Mas nós nos recusamos a acreditar que o banco da justiça é falível. Nós nos recusamos a acreditar que há capitais insuficientes de oportunidade nesta nação...
Nós também viemos para recordar à América dessa cruel urgência. Este não é o momento para descansar no luxo refrescante ou tomar o remédio tranqüilizante do gradualismo. Agora é o tempo para transformar em realidade as promessas de democracia. Agora é o tempo para subir do vale das trevas da segregação ao caminho iluminado pelo sol da justiça racial. Agora é o tempo para erguer nossa nação das areias movediças da injustiça racial para a pedra sólida da fraternidade. Agora é o tempo para fazer da justiça uma realidade para todos os filhos de Deus... Eu digo a você hoje, meus amigos, que embora nós enfrentemos as dificuldades de hoje e amanhã. Eu ainda tenho um sonho. É um sonho profundamente enraizado no sonho americano... Eu tenho um sonho que minhas quatro pequenas crianças vão um dia viver em uma nação onde elas não serão julgadas pela cor da pele, mas pelo conteúdo de seu caráter. Eu tenho um sonho hoje!


Esse sonho agora está depositado na pessoa do jovem Obama. Ele não é, e nem pretende ser nenhum mártir, até porque, esses tipos de heróis sempre deixam a desejar. Pobre da nação que precisa de um herói para sobreviver. Heróis só existem nas histórias em quadrinhos. É bom que o povo, não somente os americanos, mas o mundo em geral saibam que Hobin wood é criação de Walt Disney, ele não existe e a terra do nunca do Peter Pan, o nome já diz tudo: nunca existiu!

O que eu espero do Obama, é que ele faça um excelente mandato e construa uma carreira brilhante na política da América.
Um negro na casa branca, até então, só na ficção como no filme Impacto Profundo, de Steven Spielberg, no qual o ator Morgan Freeman interpreta Tom Beck, o presidente. Hoje, a ficção ganhou as ruas e isso já é fato: Um negro está na casa branca.

Uma vitória sofrida, vitória concorrida, vitória merecida! Vitória não apenas dos afro-descendentes, mas a vitória coletiva de um país.

Fragmento do discurso do Senador Obama depois de eleito:

“Esta foi uma das tarefas a que nos propusemos no início desta campanha --continuar a longa marcha daqueles que vieram antes de nós, uma marcha em direção a um país mais justo, mais igualitário, mais compassivo e mais próspero. Escolhi disputar a presidência neste momento histórico porque acredito profundamente que não possamos resolver os desafios de nossa era a não ser que o façamos juntos -a não ser que aperfeiçoemos nossa união ao compreender que, embora nossas histórias pessoais possam diferir, temos esperanças comuns; que embora nossas aparências não se assemelhem, desejamos todos nos mover na mesma direção --o caminho de um melhor futuro para os nossos filhos e netos....
Tenho irmãos, irmãs, sobrinhas, sobrinhos, primos e tios de todas as raças e matizes, espalhados por três continentes e, por mais que eu viva, jamais me esquecerei de que em nenhum outro país do planeta minha história seria possível”.

2 comentários:

Erica disse...

Excelente artigo, Helena.
È realmente, um fato histórico a vitória de um negro. O que não me deixa de preocupar, como os EUA são imperialistas por tradição, o que poderia advir disto?
Gostei da sua fala sobre os heróis. A época de histórias heróicas já passaram, e hoje, relembramos a frase de Shakespeare: eles fizeramm o que deveriam ter feito, na hora certa. Que seja assim com Obama, que seja assim qui, no nosso país, que seja assim, até que o Senhor volte.
Beijocas

cristina disse...

Que lindo o discurso dele! fiquei muito feliz com a vitória do Obama, espero que traga grandes mudanças aos EUA, entre elas menos preconceito e guerras.
Beijos